Entre o claro e o escuro: Roger Bastide e Claude Lévi-Strauss

Roger Bastide e Claude Lévi-Strauss são pensadores exemplares para as ciências sociais e constituem parâmetros relevantes para compreender a teoria social formulada no século XX. Os dois autores percorreram caminhos distintos e também próximos: o período passado no Brasil, a dedicação a determinados temas e objetos de estudo, a visibilidade, o estilo, a inserção e a consagração no campo acadêmico e intelectual.

Bastide chegou ao Brasil em março de 1938 com o objetivo de passar três anos como professor de sociologia na vaga deixada por Lévi-Strauss na Universidade de São Paulo (USP). As razões que levaram Bastide a aceitar o convite para lecionar tão longe de seu país foram certamente as mesmas que motivaram vários outros professores franceses a trabalhar no Brasil…. Leia mais

Os franceses nas ciências sociais brasileiras

Trecho do artigo de Fernanda Massi ” Franceses e Norte-americanos nas ciências sociais brasileiras 1930-1960″, in “História das ciências sociais no Brasil”, volume 1, 1989.

Trata-se dos franceses das missões universitárias, dos percursos e motivações  destes professores que vieram no Brasil. Mostra que para eles o Brasil representava uma “nova via”, pois era longe do contexto francês da sociologia “durkheimiana” e significava também um campo desconhecido e inexplorado de pesquisa, oferecendo-lhes  uma especialização temática.

Veja mais

“o que o Brasil me ensinou”

Palestra de Roger Bastide, no cinquentenário da USP (1984) sobre o tema : “o que o Brasil me ensinou”

Veja mais aqui, girando e aplicando zoom no pdf…

Mestres importados

Texto de Cecilia Prada que relata os elementos da cultura francesa  que chegaram no Brasil.

“Este 2005, que é “o ano do Brasil na França” e vem sendo marcado por um sem-número de eventos oficiais que se propõem aprofundar o relacionamento entre as duas culturas, nos dá ensejo para refletir também sobre um certo nacionalismo bastante simplório que anda nos rondando – em nome de uma “cultura popular”, ele tem atacado o que seriam “vestígios de cultura elitista” e proposto medidas “saneadoras” que, felizmente, não pegaram. ” Veja mais