Novos Paulistas – Trama Radiola 30/08/09

Edição TramaRadiola – show e entrevistas dos Novos Paulistas: Tiê, Dudu Tsuda, Tulipa Ruiz, Tata Aeroplano e Thiago Pethit.

Anúncios

Projeto “28 millimetres” do coletivo Kourtrajmé

Clichy, periferia de Paris. Filme do coletivo Kourtrajmé

Biografia do René Lepesqueur

Uma curta biografia do René Lepesqueur, filho de Etienne Lepesqueur, um dos fundadores de Cristalina. Essa biografia fica na biblioteca de Paracatu, cuja René é o patrono. Veja aqui

‘Lévi-Strauss me levou a pensar muitas coisas sobre o país’, diz Caetano Veloso

Compositor cita o antropólogo na letra de ‘O estrangeiro’. Música revela as impressões do francês sobre a Baía da Guanabara.

Paulo Guilherme Do G1, em São Paulo
03/11/09 – 21h19 – Atualizado em 04/11/09 – 09h38

Caetano Veloso citou uma observação do antropólogo Claude Lévi-Strauss em um dos primeiros versos da música “O estrangeiro”, faixa de abertura do álbum de mesmo nome lançado pelo cantor em 1989. “O antropólogo Claude Lévi-Strauss detestou a Baía de Guanabara/Pareceu-lhe uma boca banguela”, dizia a letra, que de certa forma contribuiu para divulgar ainda mais a obra do francês e sua relação com o Brasil. Em entrevista por e-mail ao G1, Caetano Veloso conta a história da música e de sua admiração pela obra de Lévi-Strauss, que teve sua morte anunciada nesta terça-feira (3):

G1 – O que te levou a incluir a citação a Lévi-Strauss na letra da música “O estrangeiro”?
Caetano –
A vontade de abrir a canção citando olhares estrangeiros sobre a Baía de Guanabara: tinha a declaração de Gauguin, a de Cole Porter (ambas elogiosas) e eu quis juntar a de Lévi-Strauss, depreciativa.

G1 – De onde você buscou esta referência?
Caetano –
Do livro “Tristes Trópicos”. Nesse livro maravilhoso, Lévi-Strauss pede desculpas por discordar de todos que acham o Rio bonito e declara que, para ele, a cidade não tem nenum encanto e as proporções entre a baía e as rochas que a circundam (Pão de Açúcar, Corcovado, Urca e pedras menores) dão a impressão de uma boca desdentada: os promontórios seriam muito pequenos para o tamanho da baía.

G1- Você teve algum contato maior com os estudos de Lévi-Strauss?
Caetano –
Li “Tristes Trópicos” em 1967. Fiquei surpreso e maravilhado. Eu era fã de Sartre: nunca esperei encontrar algo tão diferente dele e tão inteligente, revelador. Depois li “O pensamento selvagem”, “O cru e o cozido” e “Race et Histoire”- além da longa entrevista com Didier Éribon e trechos de outros livros (inclusive um sobre pintura). Lévi Strauss era um grande escritor e, como todos sabem, um antropólogo que influenciou muita gente, dentro e fora da antropologia. Seu nome está ligado à invenção do chamado “estruturalismo”. A filosofia, as ciências humanas em geral e a política sofreram importantíssima influência de sua personalidade intelectual. Leio essas coisas por gosto, sem método.

G1 – Você chegou a conhecer o antropólogo pessoalmente?
Caetano
– Nunca vi Lévi-Strauss pessoalmente. Sei que ele soube (por alguns segundos) que um compositor brasileiro tinha citado a frase dele. Ele apenas minimizou o aspecto negativo da observação, dizendo que tinha escrito aquilo fazia muito tempo.

G1 – Para você, qual foi a importância de Lévi-Strauss na concepção de Brasil?
Caetano
– Na verdade, para mim foi muito grande. Ler “Tristes Trópicos” me levou a pensar muitas coisas sobre nosso país de um modo que não seria possível antes. O trecho sobre a USP é muito comovente e ainda instiga. Ainda hoje, no livro “Saudades do Brasil”, a ideia de que os vasos marajoara são vestígios de uma grande civilização amazônica de onde teria saído a grande cultura andina (e não o caminho inverso) joga uma luz diferente sobre a maneira de sentirmos o significado de nossa terra.