Quinta da Boa Vista | Rio de Janeiro

A Quinta da Boa Vista localiza-se no bairro de São Cristovão, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Constitui atualmente um parque público de grande valor histórico. Nasdependências da Quinta localizam-se ainda o Jardim Zoológico do Rio de Janeiro e o Museu Nacional do Brasil, instalado no local do antigo Paço de São Cristóvão. O edifício é um magnífico palácio em estilo neoclássico, que foi utilizado no século XIX como residência pela Família Imperial Brasileira.
>>> arquiteto: Pierre-Joseph Pézerat
>>> paisagismo: Auguste François Marie Glaziou

Anúncios

Jacques Villon

Gaston Emile Duchamp, mais conhecido como Jacques Villon (Damville, 31 de julho de 1875 — Puteaux, 9 de junho de 1963), foi um pintor  e ilustrador francês  do Cubismo. Jacques Villon, que adotou seu pseudônimo somente em 1895 (em homenagem ao poeta medieval francês François Villon), era o primogênito do casal Eugéne Duchamp e Marie-Caroline-Lucie Nicolle. Villon é irmão do também pintor Marcel Duchamp, do escultor Raymond Duchamp-Villon e da pintora Suzanne Duchamp-Crotti.Teve suas primeiras aulas de arte com seu avô materno, Emile Nicolle, o qual era comerciante e artista ao mesmo tempo. Em 1984, mudou-se com seu irmão Raymond para Montmartre, bairro da cidade de Paris. Estudou Direito na Universidade de Paris, mas abandonou os estudos durante o natal de 1895 (quando adotou o pseudônimo) para se dedicar integralmente à prática do desenho e da pintura.A partir de 1897, começou a produzir ilustrações e charges para periódicos humorísticos de Paris que satirizavam a religião, o exército e tantos outros bastiões da moral conservadora da época. Em 1903, ajudou a organizar a seção de desenhos do primeiro Salon d’Automne. Durante os dois anos seguintes, estudou arte na Académie Julian. Mudou-se em 1906 para Puteaux, no subúrbio de Paris.Durante a Primeira Guerra Mundial, trabalhou como cartógrafo para o exército. Sua obra pictórica encontra suas raízes no Cubismo.


Marcel Duchamp

Artista francês, Marcel Duchamp nasceu em Blainville, França, a 28 de julho de 1887, e morreu em Nova York, EUA, em 2 de outubro de 1968. Irmão do pintor Jacques Villon (Gastón Duchamp) e do escultor Raymond Duchamp-Villon. Freqüentou em Paris a Academie Julian, onde pinta quadros impressionistas, segundo ele, “só para ver como eles faziam isso”.
Em 1911-1912 suas obras “O rei e a rainha cercados de nus” e “Nu descendo uma escada” estão na confluência entre o Cubismo e o Futurismo. São quadros simultaneistas, análises do espaço e do movimento. Mas já se destacam pelos títulos, que Duchamp pretende incorporar ao espaço mental da obra.
Entre 1913-1915 elabora os “ready-made”, isto é, objetos encontrados já prontos, às vezes acrescentando detalhes, outras vezes atribuindo-lhes títulos arbitrários. O caso mais célebre é o de “Fonte”, urinol de louça enviado a uma exposição em Nova York e recusado pelo comitê de seleção. Os títulos são sugestivos ou irônicos, como “Um ruído secreto” ou “Farmácia”. Detalhe acrescentado em um “ready-made” célebre: uma reprodução da Gioconda, de Leonardo da Vinci, com barbicha e bigodes.
Leia mais >>>

Paul Signac

Paul Signac (Paris, 11 de Novembro de 1863 — 15 de Agosto de 1935) foi um pintor francês. Politicamente ele foi simpático a filosofia anarquista.Signac, filho único de umcomerciante (estofador), pode ser considerado um pintor autodidata. Em 1882 inscreveu-se na Escola de Artes Decorativas. Juntamente com Seurat, em 1884, fundou a Sociedade dos Artistas Independentes. Foi Paul Signac que ensinou a Georges Seurat a técnica do Pontilhismo, tendo estes dois artistas sido os principais impulsionadores do chamado Movimento do Divisionismo, também designado por Neo-Impressionismo ou Pontilhismo. Signac pertenceu também ao grupo de artistas designado por Grupo dos XX. Como amante que era de barcos, possuiu ao longo da sua vida cerca de 30 barcos. Isso permitiu-lhe fazer diversas viagens que o inspiraram no uso de novos tons, porque a claridade das paisagens é diferente de região para região. Em 1899 Signac publicou a obra De Eugène Delacroix ao Neo-impressionismo. Em 1908 foi eleito presidente da Sociedade dos Artistas Independentes, tendo mantido esse cargo até 1935, ano em que faleceu.