Relação agências marítimas

Veja a relação de agências marítimas conveniadas ao Sindamar – Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo, aqui!

OBS.: as agências que estão grifadas em amarelo, são as maiores e/ou indicadas pela Câmara de Comércio França-Brasil .

Gastronomia : A influência da imigração Francesa no Brasil

Os imigrantes Franceses que aqui chegaram, eram na maioria agricultores, que com a falta de oportunidades em sua terra natal vinham em busca de novos horizontes. Aproveitando o incentivo do governo, migraram para o Brasil, instalaram-se em colônias e desenvolveram suas modernas técnicas de produção. Veja mais

Blog de uma Brasileira em Paris

Experiências de Carol Bensimon, autora e estudante em Paris.

veja aqui!

http://www.carolbensimon.com/

Senac promove workshop com o chefe francês Claude Troisgros

O sotaque francês, com o erre rascante, é carregado. Mas não o impede de ensinar em português os segredos que encantam e influenciam chefes do mundo inteiro. Claude apresentará três receitas (entrada, prato principal e sobremesa): vieiras sobre salada de palmito pupunha, doce de leite e pipoca de arroz; filé de cherne com banana caramelada, manteiga e passas – especialidade criada por sua avó Marie Troisgros, em 1930; crepe soufflé ao maracujá – prato de confiança, assinado por Claude desde 1982.  Veja mais

A nova comida paraense

Enquanto como, seu Ofir senta para conversar e tenta explicar a origem de sua cozinha. Um pouco enrolado e dado a digressões, ele afirma que o que faz é uma releitura da comida feita pelos índios da região bragantina, com quem teve contato durante a infância e a juventude. É uma evolução técnica e conceitual da comida que lhe garantiu um certo sucesso nos anos 80, quando, em Paris, ganhou a vida cozinhando pratos típicos da região amazônica para os europeus, como a maniçoba e o pato no tucupi.  Veja mais

Blog de uma Francesa no Brasil

As experiências, impressões, narradas de maneira filosófica e humorística, de uma Francesa morando no Brasil ha menos de um ano.

Link

http://francesa-no-brasil.blogspot.com/

As invasões Francesas no Brasil

Até a criação do governo-geral os franceses eram apenas contrabandistas: procuravam os trechos menos defendidos da costa brasileira para a exploração de produtos da colônia, principalmente pau-brasil. Muito hábeis, sabiam conquistar a amizade dos índios que os ajudavam nesse comércio e até nas lutas contra os portugueses. Veja mais

Suite | Banda paulistana

Com repertório de canções francesas atemporais e composições próprias, o trio SUITE reinventa a atmosfera elegante e sensual de um cabaret à la Belle Époque. Trilhas de longas como “As Bicicletas de Belleville”, “8 Mulheres” e “Canções de Amor” se encontram com versões saborosas de músicas de Brigitte Bardot, France Gall, Paris Combo e Pink Martini. O mesmo clima glamouroso aparece nas músicas assinadas pelo trio, em faixas que desfilam entre o jazz dançante e o swing contemporâneo. Formado em 2008 por Isabela Lages (vocal), Mica Farina (guitarra) e Caio Juliano (bateria e percussão), o SUITE já encantou o público de São Paulo em mini-temporada no Tapas Club, na efervescente Rua Augusta, em shows no Teatrix Bar, no Fim do Mundo Centro Cultural de Santana, na Feira de Artes da Pompéia 2009, no cabaret do Inflamável, e na Noche Cool do Clube Berlin, no Forte de Copacabana, no Festival C’est Si Bon do Rio de Janeiro e Belo Horizonte, entre outros.

Escute e veja no myspace da banda!

Presença francesa no Rio grande do Norte

No litoral do que viria a ser o Rio Grande do Norte, a presença francesa é anterior a qualquer tentativa efetiva de colonização. A maior parte dos historiadores concorda que, por volta do ano de 1516 – cerca de quinze anos depois do primeiro contato oficial dos portugueses com esta terra – navegadores daquele país europeu já negociavam com os nativos potiguares. Veja mais

Les Responsables | Banda Porto Alegre

Les Responsables. Em português, “Os Responsáveis”. Mas responsáveis pelo quê?

A resposta mais adequada talvez seja dizer que são responsáveis por um dos fenômenos mais interessantes ocorridos dentro do rock gaúcho, ou mesmo do underground brasileiro como um todo. Enquanto muitas bandas tentam se espelhar na próxima grande banda listada por algum semanário musical londrino,  ou repetir algo já feito por alguma outra banda da própria cidade, os Responsables nadam totalmente contra a maré.  E não seria em uma maré qualquer. Provavelmente seriam as águas da Cote d’Azur em 1966, ou em um cenário mais trágico, caídos às margens do Seine após alguns tragos a mais de Pernod. Isto porque as maiores fontes de inspiração dos Responsables são os primeiros artistas a trazer a boêmia intelectual para o mundo do rock francês dos anos 60, tais como o mordaz Jacques Dutronc e o polêmico (e genial) Serge Gainsbourg. A banda soube aproveitar muito bem estas influências, como mostram suas composições. Le Mellotron é rápida, explosiva e com riffs curtos. É o começo da carreira do Dutronc tendo alguém do The Who na banda de apoio, mas com isso acontecendo com a intensidade da melhor música atual. Monsieur Bouche é um divertido pseudo-country, com um certo clima de contador de histórias. Com a composição resgataram de modo interessante o country, que está nas raízes de algumas das mais expressivas bandas de rock e hoje quase que esquecido, mas sem perder o clima da terra de Jean Paul Belmondo. La Vaporisation, por sua vez, contém guitarras psicodélicas e é mais tranqüila. Se fosse uma composição do Jacques Dutronc, estaria provavelmente num segundo ou terceiro volume de alguma coletânea, e poderia ser uma boa trilha para os momentos de calmaria dos conflitos de maio de 68. Les Responsables são certamente uma banda que merece ser ouvida, sobretudo por saberem muito bem o que estão fazendo.

Escute e veja mais no myspace de Les Responsables.

Entradas Mais Antigas Anteriores